Capa » Notícias » Portugal caminharia para “desastre demográfico” se mantivesse taxas de emigração – estudo

Portugal caminharia para “desastre demográfico” se mantivesse taxas de emigração – estudo

Portugal caminharia “para um desastre demográfico a médio prazo” caso se tivessem mantido as taxas de emigração dos últimos anos, defendeu hoje o coordenador do estudo “Migrações e sustentabilidade demográfica”, João Peixoto.

O estudo, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, foi hoje apresentado publicamente mas as conclusões já eram conhecidas desde a semana passada, nomeadamente as de que Portugal sem entrada de pessoas terá 7,8 milhões de habitantes em 2060 e que para manter a atual população precisa de 47 mil entradas de pessoas por ano.

Mas são indicadores, como salientou o geógrafo Jorge Malheiros, um dos responsáveis também pelo trabalho, explicando que “não são precisas 47 mil pessoas por ano, em média, ao longo de 45 anos”.

A incerteza, do estudo e do futuro, marcou o debate sobre o documento, que decorreu na aula magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, com os participantes a darem, porém, como certo que Portugal está cada vez mais envelhecido e tem cada vez menos habitantes.

“Há duas certezas neste estudo, que vamos continuar a envelhecer e que estamos cada vez mais dependentes das migrações. A imigração representa grande parte do oxigénio que este país precisa para não morrer asfixiado”, disse Maria João Valente Rosa, demógrafa e coordenadora da área da população na Fundação.

E as incertezas relacionam-se com a economia, que vai fazer variar as entradas e saídas de pessoas no país, disse João Peixoto, lembrando que a crise dos últimos anos levou milhares de portugueses a abandonar o país, especialmente depois de 2010.

Há ainda pelo menos outras duas certezas, a esperança de vida vai continuar a aumentar e o índice de fecundidade vai subir “um bocadinho” mas sem compensar a trajetória de perda de população, disse.

No debate sobre o estudo, o antigo comissário europeu António Vitorino salientou que não é a entrada de imigrantes que por si só vai resolver o declínio populacional e que “a fecundidade não pode ser ignorada”. E considerou que a Europa não vai ser tão atrativa como foi no passado (para imigrantes) e que a diminuição da população portuguesa pode ser “atenuada” mas não resolvida.

Ainda assim, como salientou a socióloga Margarida Marques, o estudo tem em comum com outros trabalhos do género “a positividade da imigração”.

E apesar de todas as incertezas, dizem os autores, os resultados “apontam para determinado tipo de necessidades e respostas, bem sustentadas do ponto de vista dos pressupostos e da metodologia, que são capazes de contribuir para a definição de estratégias de desenvolvimento e para o estabelecimento de metas para o futuro, no quadro de um melhor desenho das políticas públicas”.

Numa frase, Portugal precisa de pessoas, e sobre isso ninguém discordou no debate.

FP // HB

Lusa/fim