Capa » Notícias » EUA » Polícia norte-americana vai acusar 12 agentes de segurança turcos de crimes e ofensas

Polícia norte-americana vai acusar 12 agentes de segurança turcos de crimes e ofensas

Um dirigente norte-americano disse na quarta-feira que a polícia de Washington vai anunciar acusações contra 12 agentes de segurança turcos na sequência de atos violentos no decurso da visita oficial do presidente Erdogan aos EUA, adiantou a AP.

O dirigente adiantou à agência de notícias norte-americana que sete serão acusados de crimes e outros cinco de ofensas.

A revelação foi feita sob anonimato, uma vez que a fonte não está autorizada a falar publicamente sobre o assunto antes do anúncio das acusações, que acontecerá hoje, explicou a AFP.

O autarca de Washington D. C. e o chefe da polícia da cidade marcaram uma conferência de imprensa para prestar informações mais atualizadas sobre as detenções na quarta-feira de dois homens.

As detenções prendem-se com o papel desempenhado pelos dois homens num conflito violento no exterior da residência do embaixador turco, no decorrer da visita do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, aos EUA, no mês passado.

O Departamento da Polícia Metropolitana disse numa breve declaração que um dos suspeitos, Sinan Narin, foi detido no estado da Virgínia acusado de agressão agravada, e que o segundo dos suspeitos, Eyup Yildirim, foi detido em Nova Jersey sob acusação de agressão com significativos danos físicos e agressão agravada.

As autoridades norte-americanas criticaram fortemente o Governo turco depois de as forças de segurança turcas que acompanhavam o presidente Erdogan terem empurrado violentamente os agentes da polícia de Washington e terem terminado um protesto no exterior da residência do embaixador turco, a 16 de maio.

O senador norte-americano John McCain exigiu dias depois a expulsão do embaixador da Turquia nos EUA, após os confrontos violentos entre membros da segurança do Presidente turco e manifestantes curdos pacíficos em Washington.

“É preciso pôr fora dos Estados Unidos o seu embaixador”, referiu McCain em declarações à cadeia televisiva MSNBC. “Estamos nos Estados Unidos da América”.

“Não estamos na Turquia ou num país do terceiro mundo”, prosseguiu. “Este género de situações não pode ficar sem resposta diplomática”.

Os atos de violência ocorreram frente à residência do embaixador Serdar Kiliç, onde o chefe de Estado turco se deslocou após o seu encontro na Casa Branca com o Presidente dos EUA Donald Trump.

O chefe da polícia de Washington, Peter Newsham, não confirmou na altura de forma clara se os agressores eram membros dos serviços de segurança turcos, mas os vídeos sobre os confrontos e diversas testemunhas apontam nesse sentido.

IMA (PCR) // JPF

Lusa/Fim