Capa » Notícias » Educação » Costa diz que Governo não tem dinheiro para pagar 600ME/ano a professores

Costa diz que Governo não tem dinheiro para pagar 600ME/ano a professores

O primeiro-ministro afirmou esta terça-feira que o Governo “não tem dinheiro” para suportar o impacto de “600 milhões de euros por ano” que representaria a contagem do tempo de serviço dos professores desde 2011.

António Costa, que já tinha sido questionado sobre o assunto durante o debate quinzenal, insistiu perante a deputada do PEV Heloísa Apolónia que o Governo “não tem dinheiro” para suportar o custo que implicaria contar o tempo de serviço dos professores entre 2011 e 2017, precisando que seriam “600 milhões de euros por ano”.

“Quando falei em 600 milhões de euros não é o custo dos nove anos, quatro meses e dois dias. São só o custo que teria o tempo de 2011 a 2017 e, por mais, faseamento que exista no final do dia são sempre mais 600 ME por ano”, precisou.

“E é para isso que não há condições”, disse, frisando que a proposta do Governo – contar dois anos e nove meses e 18 dias – foi “ao limite das capacidades financeiras” existentes e é aquela que, “cumprindo a lei” e “com boa fé negocial” permite um “tratamento de igualdade relativamente aos outros servidores do Estado”.

A deputada do PEV Heloísa Apolónia acusou o primeiro-ministro de se preparar para não cumprir a lei na negociação com os professores e declarou que o governo do PS “está a ser uma desilusão”.

“Criar uma chantagem com os sindicatos, dizer que ou aceitam os dois anos e nove meses ou não levam nada. Este governo do PS está a ser uma desilusão”, afirmou a deputada do PEV, partido que fez aprovar no parlamento, em dezembro do ano passado, uma resolução que prevê que após o descongelamento das carreiras, deve ser contado todo o tempo de serviço para efeitos de progressão.

SF // VAM

Lusa/fim